fbpx
19 2138-2525 Fale Conosco

Agora é a vez dos Pets

Eles agora são os donos do lar, os netos, filhos e os irmãos das novas gerações. Eles têm pelos, podem ser bípedes, quadrúpedes, ter nadadeiras, escamas, bicos, cascos, bigodes, rabos e afins.

Já é quase uma ofensa chamá-los de “animais de estimação”, hoje em dia, eles são família e mais do que isso, eles são essenciais na escolha dos imóveis, e aqui vai um #FICAADICA da Datastore: Eles deveriam ser essenciais também na hora em que você for pensar o seu empreendimento ou as suas estratégias de vendas.

A Datastore, juntamente com nosso CEO e Fundador – Marcus Araujo – tem anunciado a iminente diminuição no tamanho das famílias brasileiras por inúmeros motivos (processo esse que se intensificou especialmente com a introdução e consolidação das mulheres no mercado de trabalho), e uma das mais interessantes consequências dessa mudança de comportamento, é a adoção dos “pets” como “trainees” de maternidade/paternidade, ou até mesmo como “filho definitivo” para casais jovens, casais com um filho e até mesmo solteiros convictos que não pretendem e nem tem o desejo de formar famílias, mas que sanam a necessidade de companhia através dos animais de estimação.

Para deixar esta relação um pouco mais complexa, é interessante citar que o “Pet” também não é mais aquele padrãozinho que todos imaginamos: um Golden Retriver de pelos macios e dourados, que poderia bem fazer as propagandas da L’Oréal.

Hoje em dia, além dos tradicionais gatos e cachorros, os pets podem muito bem ser jabutis (estes estão bem na moda!), pombos, hamsters, caracóis, camundongos, coelhos, cobras, aranhas, louva-a-deus, e muitos outros animais bem improváveis.

As novas gerações levam em conta tanto seus próprios interesses como o bem estar dos bichinhos eleitos para fazerem parte de suas vidas, e por isso, os empreendimentos imobiliários não tem mais como ignorar ou excluir o convívio dos ‘Pets’ dentro de sua estrutura.

Os produtos imobiliários precisam pensar também no espaço dos bichinhos de estimação dentro de seus perímetros, em passeios e serviços que os compreendam (convênios com petshop, por exemplo, disponibilizar o contato de um passeador de confiança, etc).

Além de envolvê-los na rotina do empreendimento, é importante ter a mudança de mentalidade e visão de que hoje em dia, empreendimentos onde não são permitidos animais de estimação, ou que dificultem a vida das pessoas que escolham tê-los, é excluir de seu público-alvo uma parcela bastante expressiva de compradores.

O lugar deles não é mais no quintal de casa, longe do convívio familiar, “guardando” o território da residência, eles agora dormem dentro de casa, no meio da sala, nos sofás e até mesmo na cama de seus tutores (Atentem que utilizamos a palavra “tutores”, que é o que está se usando atualmente, não mais a palavra “dono(s)”.).

Esta é uma tendência muito especial e imperativa, ela está aí, queira você, caro leitor, enxergar ou não.

De qualquer forma, o recado da vez é: Não deixe os pets de fora da sua venda! Eles são essenciais e extremamente importantes para uma parcela muito expressiva dos compradores de imóveis. E para você, corretor de imóveis, ao perceber que se trata de uma família que se enquadra neste texto, inclua o bichinho na venda, e dê a eles o reconhecimento e relevância que eles merecem.

Agora, é a vez dos Pets!